Gabaritar a prova de Matemática no ENEM: O que temos a ver com isso?

Há poucos dias saíram os resultados da prova do ENEM e, claro, o tipo de cobertura jornalística que se faz sobre o ‘evento’ diz muito sobre como se encara educação no Brasil.

Durante a aplicação da prova o grande assunto foi a prova de redação e seu tema polêmico: A persistência da violência contra a mulher no Brasil. Tema pertinente, necessário e acertado. A discussão no mesmo dia da aplicação da prova e nas semanas seguintes foi extensa e frutífera, dialogando com uma das questões mais graves que enfrentamos no nosso país. Entretanto, quando as notas finais saíram, a pauta da imprensa mudou:

Confira as dicas de um dos candidatos que gabaritaram matemática no Enem

Enem: 13 estudantes gabaritaram matemática e tiraram mais de mil pontos

Enem 2015, 13 candidatos gabaritaram a prova de matemática e 53 mil zeraram a redação

‘Não me considero nerd’, diz aluno nota 1.008,3 em matemática no Enem

Aluno de SP tira a mesma nota recorde de piauiense no Enem

13 seres iluminados gabaritaram a prova de matemática. Fiz uma pesquisa rápida apenas na imprensa escrita mas se você zapeasse sua televisão durante a última semana e assistisse programas populares – daqueles que falam de violência e trânsito – veria tranquilamente uma entrevista com um desses 13 seres.

Veja, ir bem numa prova como o ENEM exige conhecimento do conteúdo somada a outra coisa que pouco se aborda nessas reportagens: treino. Não é fazer qualquer exercício, é ter acesso a exercícios com a complexidade exigida no ENEM e nos vestibulares em geral. Esse acesso normalmente é dado em escolas privadas de ponta, cursinhos pré-vestibulares ou – nos casos mais raros – numa família que tenha cultura de estudo.

Nas entrevistas de dois que gabaritaram a prova de matemática, é dito que os pais são professores, a avó é física ou algo do gênero. Bom, não tiro o mérito de estudo e interesse dos garotos, mas eles nasceram com o ‘bilhete premiado’ do vestibular. Coisa para poucos, claro.

Para além, desvendando a lenda urbana da matemática impossível, não há segredo de que o ensino de matemática por essas bandas é um nó. Em escolas públicas e particulares é difícil achar quem não reafirmem a lenda entre pais, alunos, professores e gestores.

O nó, a meu ver, tem muito com um problema de falta de ensino significativo do conteúdo de matemática. Fazer contas e achar resultados? A matemática não é isso. Pode ser um puzzle muito mais interessante, pode ser algo ligado à nossa experiência com a natureza, … Bom, não sou professora de matemática, minhas possibilidades pedagógicas para sugestões não são muitas, mas é algo que acredito ser de urgente solução (política).

Quando a base de sentido do ensino de um conteúdo não é formado, os anos escolares passam e a matemática se torna um conglomerados de signos indecifráveis, que apenas os ‘escolhidos’ podem ter acesso. É uma vergonha, entender matemática se tornou privilégio e há urgência de que isso se reverta.

 

Professora Invertida